Música + Estilo + Comportamento

Search
Close this search box.

publicidade

Externa Club Brasília

Sorry anuncia segundo álbum

compartilhe

ANUNCIA SUPER ANTECIPADO SEGUNDO ALBUM ANYWHERE BUT HERE – EM 7 OUTUBRO VIA DOMINO

NOVO SINGLE & VÍDEO ‘LET THE LIGHTS ON
NOVAS DATAS ANUNCIADAS PARA INGLATERRA EM OUTUBRO/NOVEMBRO
 

A banda do norte de Londres, Sorry, anunciou seu segundo álbum, “Anywhere But Here” – que será lançado no dia 7 de outubro via Domino. Sorry também compartilhou seu novíssimo single “Let The Lights On” retirado do disco.

O mundialmente aclamado álbum de estréia de Sorry, 925, ganhou uma série de resenhas quase perfeitas, listas de reprodução de rádios nacionais e perfis da mídia mundial ao ser lançado em março de 2020. Anywhere But Here é o primeiro corpo de trabalho completo desde o EP Twixtustwain, lançado ano passado, em conjunto com o lançamento digital oficial dos mixtapes de 2017 “Home Demo/ns Vol I. e Home Demo/ns Vol II.

Anywhere But Here estará disponível em vinil de 12″, CD, cassete e digitalmente – pré-encomenda AQUI.

Comentando o novo single “Let The Lights On”, que foi produzido por Charlie Andrew e é acompanhado por um vídeo dirigido por MILTON & FLASHA, Sorry diz: “É uma canção de amor divertida para as baladas. Uma faixa agridoce para nós. Ela meio que toca em como você quer ser honesto e dizer as coisas diretamente, mas no final, isso também pode arruiná-las. Se você tem uma luz, não a deixe apagar… às vezes você tem que deixar as coisas para trás, mas é difícil de fazer. Tentamos torná-la um pouco irônica, dizendo as coisas de forma muito clara e direta. É a última música que escrevemos do álbum e saiu de nós tentando encontrar algo mais otimista para o álbum. Começou como uma canção dançante com baixo e bateria dirigindo e se tornou mais pop quando tocamos com a banda e a gravamos”.

 

Anywhere But Here foi produzido pelos membros Louis O’Bryen e Asha Lorenz, e Ali Chant junto com Adrian Utley de Portishead, em Bristol. Explicando mais sobre Anywhere But Here, Asha diz: “Anywhere But Here! Nós abordamos o álbum de uma forma diferente do primeiro, foi mais um processo de banda ao vivo e o resultado nos fez sentir algo mais cru e mais sincero… nós achamos.

Queríamos que cada música tivesse sua própria gravidade, mas também que tivesse pequenos trechos, ou padrões líricos que se repetem e crescem – como uma metamorfose.

Todos começaram a se sentir um pouco estranhos nos últimos dois anos com tudo o que aconteceu.

É meio estranho ser de Londres, crescendo aqui, como qualquer pessoa que está no mesmo lugar há séculos. Como todos os pontos de referência, lugares, até mesmo as pessoas são iguais, mas ainda assim se sente diferente.

Acho que queremos que as coisas mudem, ou pensamos que mudarão, mas isso só acontece novamente, mas de uma maneira diferente.

Esse som é como o som que imagino quando você geme ou chora profundamente – é como um renascimento.

É o derramamento de uma pele!”

“Let The Lights On” estará disponível para uma versão limitada 7″ AQUI, a partir de 16 de setembro e o single anterior “There’s So Many People That Want To Be Loved” – que também aparece em Anywhere But Here – também será impresso como uma versão limitada 7″ com ’15’4′ como o lado B. Pré-encomenda ‘TSMPTWTBL’ AQUI para lançamento em 5 de agosto.

Sorry recentemente completou uma série de shows de abertura com a Sleaford Mods nos EUA (assim como seu próprio show em LA em Abril), e uma turnê no Reino Unido no mês passado – que incluiu um show na sua cidade natal no Jazz Cafe de Londres.

A banda fará uma turnê pelo Reino Unido em outubro e novembro; tocando seu maior show até hoje em Londres no dia 2 de novembro no Electric Brixton – os ingressos estão disponíveis.

***

Composto pelos melhores amigos e co-conspiradores Asha e Louis, acompanhados pelo baterista Lincoln Barrett, o multi-instrumentista Campbell Baum, e Marco Pini na parte eletrônica, Sorry tem feito música juntos desde a adolescência.

Emergindo da cena do moinho de vento de Brixton, onde tocaram ao lado de Shame, Goat Girl e Black Midi, Sorry criou seu próprio mundo musical distinto – um mundo que reúne uma paixão compartilhada por sons lo-fi de grunge, trap e shoegaze.

Se seu primeiro álbum completo 925 (produzido por Lana Del Rey e James Dring, colaborador da Gorillaz) foi mais eletrônico, Anywhere But Here presta homenagem aos compositores clássicos dos anos 70, como Carly Simon e Randy Newman.

Os vocais doces e salgados de Asha contrastam com os sons de guitarra detonados/discordantes ecoando das bandas do início dos anos 90, Slint e Tortoise, e as batidas irregulares de Kanye ou Capital Steez.

Londres figura como um personagem de destaque no álbum. Conversas com os ouvidos, mensagens de texto, discurso arrancado gravado no subsolo; as palavras descartadas da cidade alimentam as letras que mapeiam a experiência da vida urbana em uma geração jovem e frustrada.

Mas este é um tipo de cidade diferente de 925, contada através das vozes de duas pessoas na casa dos 20 anos, cujas vidas se tornaram insulares. “Se nossa primeira versão de Londres em 925 era inocente e com cara nova, então isto é mais áspero nas bordas. É um lugar muito mais árduo”, diz Louis. Para Asha, este período de intensidade foi um desafio: ‘Eu só fiz o que todos os outros fizeram, fiquei um pouco louca’.

À medida que sua relação romântica se desintegrava, dias lentos eram passados refletindo sobre o passado recente.

Eu sentia que tudo estava ficando tão distante de quem eu era”, diz ela.

Continuei pensando: ‘Quem sou eu agora?’. Sua mãe, uma Doula da Morte, voltava para casa todas as noites da orientação espiritual aos pacientes nas fases finais da vida, com histórias profundas que eram impossíveis de não absorver. A partir destes períodos domésticos de inquietação e mal-estar, Asha escreveu a faixa final ‘Again’, sobre renascimento e morte, com um arranjo respondendo à idéia de freqüência que transcende o corpo feminino: ‘O mundo brilhava como um candelabro / e eu estava perdida para sempre’.

A sensação de novidade está no coração das canções de Sorry – do que significa ser jovem e erguido na década de 2020, com todos os desafios e engenhosidades que a vida na metrópole traz.

***

Veja Sorry ao vivo em 2022:

30 Jul | All Together Now Festival, Portlaw

13 Aug | Sur Le Lac Festival, Eggersriet

13 Oct | Urban Spree, Berlin

14 Oct | EKKO, Amsterdam

15 Oct | Pop Up, Paris

25 Oct | Chalk, Brighton

26 Oct | Metronome, Nottingham

27 Oct | Brudenell Social Club, Leeds

28 Oct | Stereo, Glasgow

29 Oct | Academy 2, Dublin

31 Oct | Fleece, Bristol

1 Nov | White Hotel, Manchester

2 Nov | Electric Brixton, London

Sorry – Anywhere But Here – disponível em 07/10/22 via Domino

S

publicidade