Tetine “Animal Numeral”, vamos ouvir!

DJ SOUND

Tetine “Animal Numeral”, vamos ouvir!

Formado pela dupla de artistas Bruno Verner e Eliete Mejorado radicados no leste de Londres, desde 2000, o Tetine vem criando uma série de trabalhos autorais em música, performance, filme/vídeo/instalações e spoken word, atuando em contextos diversos tanto na cena musical quanto artística desde a sua criação em São Paulo em 1995.

“Animal Numeral”, é nome do 20º álbum do duo gravado e produzido durante o primeiro semestre de 2019 no bairro de Hackney em Londres.

Em uma coleção de 11 faixas que se movem entre dark sambas, pós-punk, synthpop, IDM e spoken word, o duo se envereda por caminhos eletrônicos tensos e melódicos, investigando incertezas contemporâneas e impasses planetários sociais, raciais e climáticos por meio de canções que exploram tanto lírica como politicamente o que vêm chamando de 4 º Mundo existencial desde discos como In Loveland With You (Slum Dunk Music 2013), 53 Diamonds (Wet Dance Recordings 2016) e Tetine vs Pasolini: The Baron, The Bishop, The Judge, The President and The Relative (Slum Dunk Music 2019).

Nesse sentido, o novo trabalho aborda temas de natureza existencial e política como genocídios globais, depressão pós-capitalista, relações familiares, sexo, tecnologia, mágica, exclusão, imigração e conflitos raciais.

Seu pop eletrônico dissonante e progressivo, revela universos sonoros ora poéticos, ora lascivos ou opressivos através canções ‘quase Pop’ e Sambas gótico-futuristas de cunho narrativo, de cortes ficcionais ou autobiográficos.

Definido por Bruno e Eliete como “um álbum ao mesmo tempo ‘distópico-utópico’ de synthpop lírico”, e concebido como uma espécie de grit’ ambíguo sobre o fim do mundo como ainda o conhecemos;

uma espécie de reengenharia transitória de acumulações utópicas, sentimentos inadequados, e memórias indisciplinadas sob a forma de um corpo orgânico-mecânico de amor e pulsão de morte –

“Animal Numeral” traz um Tetine lírica e politicamente afiado, reintroduzindo, sem pedir licença, sua poética tropical mutante punk-funk contra as forças do capital para uma nova geração que começa a conhecer o trabalho da dupla agora.

Isso tudo dito através de canções eletrônicas glaciais e sintéticas em momentos ora existenciais, ora políticos como em “Canibalia” – faixa de abertura do disco;

“Dream Baby Dream” ou “Rats and Humans”, incorporadas à outras formas de afetividade e contaminação contemporânea, como por exemplo nas paisagens atmosféricas de “On Ne Badine Pas Avec L’Amour” – regravação de uma faixa do primeiro disco do Tetine, Alexander’s Grave, de 1995.

Do mesmo modo, ao habitar outros registros musicais ou novos espaços e temporalidades tanto físicas quanto virtuais em termos de seu discurso; combatendo ferozmente a ideia de tempo linear, e os territórios atuais do ‘novo-velho’ psiquismo neoliberal em conjunção às novas ondas de fascismo global e supremacia branca que se instauraram no planeta, como em “This is The Voice”.

TETINE – THIS IS THE VOICE from Tetine on Vimeo.

Ou simplesmente como indagam na letra do samba homônimo “Animal Numeral” que dá título ao disco…

“um animal hormonal, um boneco artificial, ou um arquivo espiritual?

De carne e osso até o pescoço? Com o dente exposto?

Respirando o elo imperial.

Um animal hormonal à serviço do gozo. Contaminação. Difamação, Inundação”.

Um álbum sobre canibais digitais [e analógicos] em movimento perpétuo; reprogramados rítmica e cognitivamente (por forças invisíveis) a cada ano, dia, hora, minuto, segundo; testados, provados, sugados e re-introduzidos em grandes porções cósmicas de tempos e espaços quebrados.

“Animal Numeral” evoca esse “não-lugar” ainda opaco e misterioso para grande parte da humanidade.

Um lugar onde a canibália (tropical ou não) se procria incessantemente para comer seu próprio coração, assado.

E o tempo é apenas uma construção; uma terceira dimensão para organizar realidades ou sonhos. E onde nós – mamíferos numéricos – continuamos caindo / morrendo com a demanda em fazer escolhas.

“Animal Numeral” é um lançamento do selo britânico Slum Dunk Music já disponível em todos os aplicativos de música e em LP, numa edição limitada.

Tracklist

1 – Canibalia

2 – Konkret Dance

3 – This is The Voice

4 – Dream Baby Dream

5 – On Ne Badine Pas Avec L’Amour

6 – Loose

7 – Why Bandido

8 – Animal Numeral

9 – Rats and Humans

10 – Poisoned

11 – Shaft Abre Caminho

All songs written and produced by Bruno Verner and Eliete Mejorado. Recorded in London, between January and July 2019.

Bruno Verner – vox, vocals, keyboards, programming, bass guitar, guitars

Eliete Mejorado – vox, vocals, keyboards, samples, fx

Print Friendly, PDF & Email

Comente