Soundcloud lança novo serviço

DJ SOUND

Soundcloud lança novo serviço

As noticias que divulgamos sobre o futuro do Soundcloud em janeiro (leia mais: http://www.djsound.com.br/soundcloud-novos-horizontes-e-decisoes/), precediam um futuro de novidades e muitas incertezas principalmente pelos usuários.

Como falamos a Sony Music envolveu-se na negociação junto com a Universal Music que abriu alas nas negociações e chegou num acordo, a Sony também avança e é questão de tempo (curto), para resolverem.

A novidade por agora é que o Soundcloud acaba de lançar o novo app, sem anúncios, e com uma gama maior de artistas.

Somente usuários dos Estados Unidos podem desfrutar do serviço.

SOUNDCLOUD_logo_01A

Essa novidade vem com os 30 dias grátis e na sequência, U$12.99 dólares depois ($9.99 para não usuários iOS), para quem optar pelo pacote Pro Unlimited o valor é de U$4.99 pelos primeiros seis meses; o que é um teste para o serviço de assinatura paga em que deve se transformar o Soundcloud.

O Soundcloud viu-se pressionado com chances de processos caríssimos, nos últimos quatro anos, não só pelas gravadoras majors (Universal Music, Sony Music, Warner), mas também de selos de música eletrônica Underground (os brasileiros metidos a “besta” que pregam o Underground e o amor pela música na modalidade “free”, quebram a cara com artistas queridos também interessados em ganhar o que lhes é de direito (os direitos de execução pública assegurados por leis e tratados mundiais), que não encaram o Soundcloud como apenas uma vitrine promocional, mas sim como fonte de rendimento e a arte precisa ser paga.

SOUNDCLOUD_logo_03

Os artistas precisam ser pagos pela execução nem todos se apresentam ao vivo (sejam DJs Produtores ou apenas produtores de estúdio).

Alô-alô-alô acorda povinho do Brasil que reluta e nem sabe por quais militâncias luta, e principalmente muita gente da cena eletrônica (incluindo grandes DJs e produtores) que não sabem como se dá o pagamento e recebimento dos direitos de execução pública, os tais direitos autorais assegurados para composições próprias (excluem-se: os mash-ups, remixes não autorizados – um dos males que assola nossa cena brazuca promovendo “artistas”).

Então vale a métrica de ter a informação correta e ir buscar com quem realmente entende do assunto, para isso existem consultores do mercado fonográfico prestando serviços.

Ser um profissional no segmento de música eletrônica carece de estar informado, apenas ter talento dar o play e mixar não bastam (aliás nunca bastaram! nem no rock é assim!).

Site oficial:
www.soundcloud.com

by Gonçalo Vinha

Print Friendly, PDF & Email

2 comments

  1. Claudio Girardi - 29 de março de 2016 20:30

    Os modelos de negócio que dão a falsa impressão de que música é de graça estão na mira das editoras, gravadoras e artistas independentes do mundo todo, quem realmente trabalha dentro do mercado do entretenimento tem que no mínimo saber o que é “propriedade imaterial” para quem quer viver de música pouco se importa sobre esta questão, mas quem quer trabalhar na indústria da música, ou “negócio da música” para os que preferem o termo em inglês music business entende o principal pilar desta indústria, o direito autoral. Ótima matéria e comentário!

    Responder
    • Ricardo Sarmiento - 14 de abril de 2016 16:10

      Obrigado Girardi!

      Responder

Comente