Nicky Romero, entrevista e segredos neste retorno ao Brasil

DJ SOUND

Nicky Romero, entrevista e segredos neste retorno ao Brasil

Nicky Romero, DJ e produtor holandês, retorna ao Brasil com nova apresentação no Audio Club nesta próxima sexta (19/08) em São Paulo (infos no: http://www.djsound.com.br/events/nicky-romero-faz-apresentacao-unica-no-brasil-na-audio/), na estreia da festa Radio, novo brand da renomada Deep Entertainment do empresário Kadu Rachid.

Em entrevista, Nicky Romero conta um pouco de como foi sua apresentação no Tomorrowland Brasil deste ano que contou com um palco assinado pela sua gravadora Protocol, como é ter o nosso país sempre em sua agenda, quais suas expectativas para este retorno, e ainda dá dicas aos novos produtores que desejam lançar músicas pela Protocol Records.

O que você acha sobre a Holanda, por ter tantos grandes nomes de DJs, pode influenciar as pessoas mais jovens a gostarem de música eletrônica e começarem a produzir desde cedo?

A Holanda tem uma longa história na música eletrônica com uma vasta gama de DJs vindos daqui.

Considerando que a Dance mMsic está decolando em apenas alguns países, tem sido a norma aqui por muitos anos, então eu acho que o fato de que as pessoas estão expostas a partir de uma idade mais jovem poderia ter algo a ver com isso.

 Quais outros aspectos influentes na música (cultural, educacional e de entretenimento) você acha que poderia explicar o porquê de ter tantos bons produtores na Holanda?

Como eu disse, os holandeses são muito apaixonados pela música e isso deve ter algo a ver com isso.

Além Fedde le Grand ter influenciado em sua carreira, quem (na música ou não) influenciou você no começo?

David Guetta foi uma grande influência e um mentor para mim.

Nicky Romero

Nicky Romero

O que você acha da cena eletrônica fora da Europa e América do Norte?

É interessante como esta surgindo em diferentes partes do mundo agora, lugares como Ásia e Brasil, onde tenho saído em turnê recentemente.

Eles têm realmente abraçado isso e têm uma grande paixão pela música, e por sua vez está sendo dado um novo sopro de vida por estes fãs crescentes – é ótimo!

Em que momento de sua carreira você percebeu que você tinha tantos fãs fora da Europa, especialmente no Brasil?

Eu acho que é o momento que você começar a tocar em algum lugar novo, pela primeira vez, e vê uma multidão de pessoas que estão lá para vê-lo e desfrutar da sua música.

Isso é quando você realmente entende.

Como é para você ter o Brasil como um país presente sempre na sua agenda? O que tem influenciado você a sempre voltar?

Eu absolutamente amo o país e me considero muito sortudo por poder tocar aqui várias vezes por ano.

O local, a comida, e o mais importante os fãs – eles são razões muito importantes para me manter voltando!

Como é tocar em um festival e em outro momento em um club? Qual deles você mais gosta? Ou como você diria que é a principal diferença entre os dois? Especialmente no Brasil.

Eu acho que eles são grandes em suas próprias maneiras.

A intimidade de um clube é sempre excelente, pois lhe permite interagir com o seu público em um nível mais profundo.

No entanto, a sensação de tocar em um festival de vários milhares de pessoas é imbatível – eu gosto de ser capaz de fazer as duas coisas!

Como foi para você tocar no mainstage novamente no Tomorrowland Brasil? E como foi para você ter o seu próprio palco (Protocol Records)? Como foi essa experiência? Qual foi a melhor parte de fazer um palco para a sua gravadora aqui no Brasil?

Foi incrível, como sempre.

Tomorrowland sempre faz de tudo para fazer sucesso quando se trata de locais muito legais e cenários e foi incrível acolherem o nosso próprio palco Protocol e dar às pessoas a chance de ver o que temos sido como um selo ao longo do último ano.

Principalmente, foi ótimo para apresentar todos os artistas que têm lançado sob a gravadora Protocol e mostrar esses caras em um grande festival, como Tomorrowland. Espero que as pessoas tenham gostado!

Qual sua expectativa para sua próxima apresentação no Brasil neste mês?

Eu espero que todos estejam “Prontos para Detonar!” 😉

 Você poderia dar qualquer spoiler de sua apresentação para seus fãs brasileiros? Eles podem esperar músicas novas?

Haha isso seria dizer, estou com medo!

Nicky-Romero-Nile-Rodgers-Future-Funk-Preview_1a

Você disse que sua música “Future Funk” (gravada com o Nile Rodgers da banda Chic), foi uma experiência agradável, uma música diferente. Há mais canções diferentes para sair? Acha que é importante para um produtor fazer canções diferentes, trabalhar em novas experiências? Mas é também importante manter um pouco do seu “estilo antigo”? Há alguma fórmula para isso?

Sim, “Future Funk” foi ótimo, porque eu era capaz de experimentar um estilo diferente.

Eu acho que é bom para ser capaz de obter um pouco mais de criatividade no estúdio e experimentar novas ideias, desde que você gosta do que você está fazendo e você está sendo fiel a si mesmo como um artista.

O que você acha que seria as novas influências na música eletrônica em geral? Que tipo de música você acha que poderia se tornar um novo estilo de música eletrônica?

Bem, com a Dance Music se tornando mais popular, já estamos vendo o pop e o dance entrelaçarem.

Além disso, mais e mais elementos vivos estão sendo incorporados a música eletrônica, que é legal.

Qual software e hardware você usa quando produz? Quais instrumentos e equipamentos?

 Logic X, Kickstart, Kick, Massive, Sylenth, e eu também toco piano e bateria quando as uso em minhas produções.

O que um artista tem que ter para se tornar um produtor da sua gravadora Protocol?
Eu teria que dizer que paixão, determinação e seu próprio som.

Quais são as novas colaborações em seu estúdio?

Vocês vão ter que esperar para ver!

Site oficial:

http://www.nickyromero.com/

Ouça Nicky Romero nas playlists da DJ Sound na Deezer:

www.dzr.fm/djsound

Nick Romero no estúdio mostrando “Future Funk”

https://www.youtube.com/watch?v=D9lEAobqWbk

Veja o vídeo de “Future Funk” com Nile Rodgers na Vevo:

by Mariela Gregori

Print Friendly, PDF & Email

Comente