MC Queer e representante na cultura Queer do estilo Funk N Rio no Brasil

DJ SOUND

MC Queer e representante na cultura Queer do estilo Funk N Rio no Brasil

MC Queer é militância com batida.

É um tom de voz para muitas vozes.

É gênero de música sem gênero.

É cantar o que precisa ser dito.

É dançar até embaixo com muito glitter por cima.

Quem é MC Queer?

MC Queer é uma voz Gay que vai usar o Funk como veículo para falar sobre homofobia, cultura

Queer é luta pelos direitos LGBT.

O projeto nasceu com cunho filantrópico e todos os envolvidos estão fazendo pela causa, além de espalhar a mensagem nas músicas, a renda do disco destinada ao cantor será revertida totalmente para projetos sociais LGBT.

Quem produz o som?

Maestro Billy, produtor musical que ficou conhecido por ser DJ residente do Caldeirão do Huck e já produziu para Valesca Popozuda e abriu shows da Beyoncé no Brasil.

http://www.maestrobilly.com.br/

Como é o disco?

São 6 músicas que falam sobre homofobia, representatividade, direito de livre expressão do corpo e festas LGBT.

Lançamento digital aconteceu em Junho’16 (Spotify, Apple Music, Deezer e Google Play).

Como é o single de lançamento “Fiscal”?

Com lançamento digital previsto para 10 de Maio nas plataformas de streaming, a música traz a essência do Funk “proibidão” com referências de batida do Pop, a letra trata de homofobia, com crítica explícita à prática e usando de exemplo o famoso caso da lâmpada na avenida Paulista em 2010.

Performance em video de MC Queer

Performance em video de MC Queer

Como é o clipe?

Com lançamento digital previsto para 20 de Maio no YouTube, o clipe traz refinamento e poesia a uma letra densa.

A storyline será a desconstrução da lâmpada enquanto arma na agressão homofóbica de um garoto na avenida paulista em 2010 e a formação de um “exército queer” contra a homofobia. o cantor e convidados usam um taco de baseball para quebrar as lâmpadas ao longo do clipe.

Todos vestem a máscara do MC Queer no clipe, e cada vez que quebram uma lâmpada, tiram a máscara e mostram o rosto para a câmera.

As lâmpadas, quando estouradas, trazem glitter um elemento bastante icônico da cultura Queer.

Quem e quantos são os convidados?

São 30 pessoas entre homens, mulheres e transexuais, gays ou não, mas que de alguma forma, sejam representativos para a comunidade LGBT.

Desde uma celebridade ou youtuber, até um líder de comunidade da periferia de São Paulo.

Alguns nomes que participaram: Diva Depressão, Nana Rude, Leona Vingativa, MC Linn da Quebrada, Lia Clark, Fefito (Estação Plural), David Rebolativo.

Quem dirigiu e produziu o clipe?

Produção executiva: Cristina Provezano

Direção: Fernanda Weinfeld ( http://www.fernandaweinfeld.com.br/ ).

Diretor de fotografia: Alecandre Elaiuy ( http://www.alexandreelaiuy.com/ )

Direção de arte: Camila Vieira ( http://www.camilavieira.com/ )

Figurino: Melina Schleder (apoio: Adidas)

Print Friendly

Comente