Markus Schulz retorna ao Brasil e fala com DJ Sound

DJ SOUND

Markus Schulz retorna ao Brasil e fala com DJ Sound

Já fazem três anos que o alemão Markus Schulz não pisa no Brasil, a última aparição foi no evento ASOT 600 em São Paulo no ano de 2013.

Agora Schulz retorna ao Brasil como headliner do palco Full On de Ferry Corsten no festival Tomorrowland Brasil 2016.

Em meio a uma agenda lotada promovendo seu sexto álbum de estúdio “Watch The Time” (leia mais: http://www.djsound.com.br/markus-schulz-lanca-sexto-album-com-tour-mundial-intimista/).

O produtor e DJ bateu um papo exclusivo com a DJ Sound na véspera de seu embarque para o Brasil (confira entrevista completa na próxima revista DJ Sound online #166), onde confessa ser apaixonado por pão-de-queijo, fala do surgimento do New World Punx e da expectativa de tocar no Tomorrowland Brasil onde convoca os fãs para  divertirem-se.

Markus-Schulz---Watch-the-World-Album-Art

Você pode compartilhar algumas de suas experiências de tocar no Brasil?

Sim, sempre foi um país muito acolhedor e apoiadores para mim. As visitas regulares

até poucos anos atrás resultou em me tornar viciado em pão de queijo brasileiro.

São Paulo detém algumas memórias, jogando sets longos na Daylight Party Zenith, em seguida, recentemente para uma  State of Trance 600 em 2013.

Eu me lembro da paixão dos fãs cantando junto, e eu acho que alguém me entregou uma camisa de Brasil com o número de Neymar nele para eu usar.

No entanto, o meu lugar favorito para tocar no Brasil teria de ser Green Valley, em Camboriú, o que para mim é um dos maiores clubs do mundo, apesar de só tocar lá pela primeira vez em 2009.

Eu estava em turnê com Roger Sanchez e Sander Kleinenberg para esse fim de semana especial, e eles estavam me dizendo sobre a lenda deste local.

Inicialmente fiquei surpreso ao ser recebido lá, porque geralmente  Green Valley é um templo apenas para os rapazes da casa.

Mas a partir desse primeiro show, eu estava completamente fora de mim.

O club é uma mistura de interior e exterior, e como o sol nasce, você pode ver um ambiente verdadeiramente de tirar o fôlego – as florestas verdejantes com uma cachoeira em entre tudo.

Mas para chegar a Tomorrowland, um dos destaques absolutos no maior palco na música de dança indústria; será muito especial para mim.

Markus Schulz

Markus Schulz

E, claro, você tem o projeto New World Punx ao lado Ferry Corsten. Como fez isso acontecer, e há uma possibilidade de ver isso no Tomorrowland Brasil?

Todo o conceito floresceu através do desenvolvimento de nossa amizade pessoal.  Nunca foi uma decisão de negócios ou necessidade.

Nós tínhamos  uma boa amizade ao longo dos anos e sempre tocamos nos vários festivais, mas fora remixes que fizemos juntos ou trocamos, não havia uma conexão musicalmente.

No verão de 2011, no entanto ,deparamo-nos viajar muito juntos, fazendo a mesma rota de festivais, por isso temos de conhecer uns aos outros melhor ao longo das longas horas em aviões.

Para o encerramento da temporada de Ibiza, decidimos alugar uma casa juntos por uma semana.

Através das várias conversas, descobrimos que tínhamos muito em comum, tínhamos as mesmas paixões e amores de nossa cena, e foram ambos a um ponto em nossa carreira em que precisávamos de uma nova injeção – algo divertido e algo para contrariar os rigores da vida na estrada.

O desafio mais difícil de uma vida DJ, de longe, é o viajar, e quando você está fazendo isso em seu próprio país, é duplamente difícil.

Então, quando Amsterdam Dance Event (ADE)  surgiu, eu vim em poucos dias anteriores e viajei para o estúdio de Ferry em Roterdã.

Não houve pressão envolvida, e de fato nenhuma intenção de realmente produzir algo, mas em um impulso do momento, fizemos o remake  de “Jens track Loops & Amp; Tings”.

Ele tornou-se um enorme sucesso nas   pistas nas carreiras de ambos.

Cerca de seis meses depois que fomos reservados juntos para um show no Godskitchen em Birmingham, classificado como “versus” noite.

Originalmente eles tinham de abrir uma janela de quatro horas para nós tocarmos individualmente e em conjunto, mas os promotores nos permitiram assumir o controle de toda a noite, abrangendo nove horas.

O conceito original era eu para tocar 90 minutos,  e o Ferry  tocar 90 minutos,  e alternávamos durante duas horas, e fechar a noite, jogando duas horas cada. Mas uma vez que entramos alternando, ficou assim durante o resto da noite.

ferry-corsten-markus-schulz

projeto New World Punx com Markus Shulz e Ferry Corsten

Houve uma química elétrica no club que fez o show tão memorável.

Após esse show, um monte de promotores gravou a idéia do evento, e começou reserva-nos especificamente para reproduzir o show em dupla e retornamos.

Nós fizemos um show no TAO Beach, em Las Vegas durante a semana EDC, onde um conjunto duas horas se transformou em mais de seis, e no momento epifanico veio no Echostage em Washington DC, em novembro do mesmo ano.

Sabíamos naquele momento que estávamos em algo especial, mas por causa da demanda para nós tocarmos juntos  tivemos que marcar o conceito para dar-lhe uma identidade.

Daí New World Punx nasceu,  estreando ao mundo no Madison Square Garden, em Nova York.

Markus-Schulz-Alt-Photo2

Markus Schulz no Tomorrowland Brasil 2016

Será que vamos vêr o New World Punx em Tomorrowland Brasil?

Eu diria que há muito uma grande possibilidade, de fato!

Onde você se vê no futuro? E, finalmente, você tem uma mensagem para seus fãs esperando para vê-lo no Brasil?

Esperemos que, enquanto eu tiver saúde, eu ainda vou estar em turnê e tendo uma explosão na estrada, porque eu posso.

Não imagino fazer outra coisa com a minha vida.

Então, para mim, quero continuar fazendo isso por tanto tempo quanto possível.

É muito interessante para dar um passo para trás e analisar quantos DJs surgiram em todo o mundo no espaço de cinco anos.

Mas a parte curiosa para mim é apenas quantos deles ainda farão isso no prazo de cinco anos.

E para os fãs no Brasil, eu realmente mal  posso esperar para ver todos vocês, porque tem sido três anos muito longos .

Eu espero que muitos de vocês virão a apoiar a Coldharbour e o Brasil com o próprio Danilo Ercole.

E deve haver um pouco de diversão quando Ferry e eu estamos  por perto olhando para a frente no Tomorrowland.

by Gonçalo Vinha

Print Friendly, PDF & Email

Comente