Leaether Strip, entrevistamos e dissecamos o velho urso do Electro

DJ SOUND

Leaether Strip, entrevistamos e dissecamos o velho urso do Electro

Leaether Strip, entrevistamos e dissecamos o velho urso da cena electro

Primeiro show da carreira na América do Sul acontece neste sábado (10/12) em SP

As vésperas de completar três décadas de intensas atividades o dinamarquês Claus Larsen, que usa os codinomes artísticos de Leaether Strip e Klutae, toca pela primeira vez na América do Sul, justamente (e felizmente), debutando na capital paulista no ótimo evento Machina de curadoria e mentoria do incansável (workaholic nato!) Enéas Neto, que usa o club Madame como templo desse banzé dos bons para os aficionados em sons da ala mais alternativa (e não menos interessante) da música eletrônica.

É um dos nomes mais emblemáticos (e de maior sucesso no Brasil), ao lado de nomes de primeirão escalão como Front 242, Front Line Assembly, Skinny Puppy, A Split Second, Vomito Negro, o Leaether Strip é da elite da família E.B.M. (Electronic Body Music).

Este escriba aqui virou fã incondicional ao ouvir os sons através do extinto programa Zensor (de Enéas Neto), ainda na antiga Radio 97 FM Rock (atual Energia 97FM), que ficava na região do ABC em São Paulo.

Que acabou Leaether Strip, é argamassa sonora para limpar ouvidos em tempos de caos mundial, num contraste e luta com a própria personalidade forte e emotiva de Larsen, transformada em fúrias nos palcos para delírio dos fãs ao redor do mundo.

Dissecamos o Claus Larsen e o seu Leaether Strip que nos conta curiosidades, derruba mitos e mostra que por trás dos sintetizadores raivosos existe um ser humano como a maioria, cheio de sonhos, medos e um amor incrível pela música que o move.

De quebra falamos com Enéas Neto que fala sobre o Leaether Strip e de forma inteligente das dificuldades e heroísmos em se promover um cena por vezes sequer apoiada pelos fãs dos artistas.

De onde veio o nome Leaether Strip?
CL: Bem, meu primeiro nome para este projeto foi apenas “Strip”, mas a minha amiga pensou que era muito curto, então Leaetther foi adicionado. E eu usei a letra dinamarquesa “æ”, assim eu atrairia o olhar dos povos, e o “æ” transformou-se também meu logotipo. Nada profundo, apenas um nome realmente.

Por que você decidiu fazer música?
CL: Sempre fui um amante da música desde muito jovem e sonhei trabalhar na indústria da música como diretor de arte ou designer gráfico para bandas, mas conhecer um cara que me vendeu um sintetizador Moog Prodigy por volta de 82, mudou minha vida.

E os sonhos mudaram rapidamente
para me tornar um músico e um escritor de canções.

Qual foi o seu primeiro equipamento e como você aprendeu a usar a tecnologia MIDI ea música de computador?
CL: Era um Moog Prodigy, uma bateria Yamaha, não havia MIDI em 82, então eu usei um gravador de duas pistas para gravar multipistas, e tocar todas as teclas ao vivo em todas as músicas.

Eu aprendi fazendo realmente programação de som e songwriting. Nunca tive nenhum treinamento formal.

Há quanto tempo você comprou seu primeiro teclado? Que tecnologia usou e você ainda a possui? Que computador (s) e software você usa atualmente no seu estúdio (home)?
CL: Meu primeiro synth foi um Prodigy Moog, me primeiro Sequencer foi um Comodore 64 com Steinberg pro16. Meu primeiro álbum do Leæther Strip foi gravado com um gravador de quatro pistas e um Atari com software C-Lab, e um monte de sintetizadores, muitos para mencionar. Eu ainda tenho a maioria das minhas coisas antigas

Você pode descrever todos os equipamentos de sintetizador e hardware que você usa hoje em dia?
CL: Posso te dar uma idéia, todo os kits levaria muito tempo para escrever aqui. Eu uso o PC com Cubase e Nuendo. Eu uso cerca de 70% de sintetizadores de hardware e 30% de sintetizadores de software.

Qual peça é a mais valiosa para você dos seus equipamentos?
CL: Eu sou um “bass man”, então meus tesouros são minha antiga Moog Source e Korg MS-20. Eles são usados em quase todas as minhas músicas do Leæther Srip. Meu sintetizador mais usado é Vazmod VSTI.
Como será o futuro da criação de música eletrônica?

CL: No momento parece que os sintetizadores retro e todo o material analógico está tendo um retorno, que eu acho legal.

Eu não sou um esnobe da engrenagem, os sintetizadores são apenas uma ferramenta, e se eu posso criar o som que eu preciso para minhas canções neles eu não me importo apenas como analógico ou digital.

Eu sou um compositor, e sintetizadores são para mim o que um pincel é para um pintor. Mas eu sempre fui um grande amante de Moog e Korg.

E quais são, de acordo com você, os maiores artistas / bandas?
CL: Beethoven, Soft Cell, Fad Gadget, Jean Michel Jarre, Tangerine Dream, Depeche Mode, Skinny Puppy, Front 242, Howard Jones, Thomas Dolby, Men Without Hats, The Sweet, Queen.

Como você descreveria seu estilo de música?
CL: Um olhar 100% honesto em minha alma Electro Industrial.

A trilha sonora que lembra sua infância?
CL: “White as chalk”

Qual o primeiro disco que comprou?
CL: The Sweet “The Sweet Fanny Adams”

E qual a sua música favorita de todos os tempos?
CL: Depeche Mode “Black Celebration”

Como deu-se o contrato com a Zoth Ommog de Talla 2XLC?
CL: Naqueles dias você enviou uma fita para uma gravadora e esperava o melhor, a primeira fita demo Leæther Strip foi enviada para Talla e para os donos da PIAS (NE: Play It Again Sam), e ambos disseram “Sim”, então eu tive sorte, escolhi a Zoth Ommog.

Como você definiu o efeito de voz para o Leaether Strip. E em que medida Talla 2XLC participou do seu álbum de estréia (“Pleasure Of Penetration”), já que ele consta como produtor nos créditos do disco?
CL: Meus efeitos de voz são geralmente muito simples, algumas distorções e um pouco de delay. Talla não tinha nada a ver com meu som ou gravações, era e ainda é importante para mim ter 100% de liberdade artística em tudo o que faço. Meu primeiro álbum é realmente minha demo tape, apenas gravada novamente em um estúdio melhor em Frankfurt pela Zoth Ommog.

Quando você decidiu que deveria planejar uma carreira na música e como você decidiu fabricar seus CDs e distribuí-los?
CL: Eu só queria realmente experimentar. Se o seu negócio fica desagradável algum dia, como meu caso, eu perdi totalmente a confiança nas gravadoras. Mas foi muito trabalho para mim, e eu estou fora demais em turnês para cuidar de selo para mim, é por isso que eu assinei com a Rustblade Records, na Itália para o meu novo álbum “Spæctator”

Explique sobre o último álbum e sua concepção?
CL: Todas as músicas em “Spæctator” foram compostas depois que minha mãe morreu. Sua morte remeteu muitas lembranças, surpresas e dolorosas de volta e muitas das canções são sobre essas coisas.

Foi uma incrível terapia para mim para completar “Spæctator”.

Eu sempre me senti como um espectador para a minha família, e nunca uma parte dela, e minha vida até minha mãe morrer foi uma longa e dura luta para tentar me sentir como se eu fosse uma parte dessa família.

A morte de minha mãe foi o fim dessa guerra.

Perder ela significava que a guerra tinha acabado.
Sua imagem e música (agressiva e outras vezes melódica e emocional) como um artista em meus olhos refletem um pouco de você.

Então você parece ser um cara que vende uma imagem de cara mau e ao mesmo tempo parece ser muito emocional.

Como você define Claus Larsen como pessoa?
CL: Eu sempre fui eu mesmo. Eu não estou desempenhando um papel. Leæther Strip e todos os meus outros projetos são 100% eu!.

Minhas músicas são muito, muito pessoais, para que eu coloque algum tipo de imagem e vestido nunca aconteceria. Eu sou um cara muito emocional, mas passe por cima de alguém que eu amo e você vai ver um lado não tão bonito meu.

Performances teatrais são legais para alguns, mas não para mim.

O que você vê é o que você recebe. Sou um urso de pelúcia grande, velho no coração, mas sou também um punk.

Em sua opinião, quais são seus melhores álbuns (ou álbum)? Existe uma que você não gosta e teria excluído de sua discografia?
CL: Eu não posso te dizer qual eu gosto ou melhor, Eles são todos igualmente importantes para mim, eles são todos reflexos de mim e o que aconteceu na minha vida no momento em que foram gravados.

O álbum financeiramente mais bem sucedido ainda é “Solitary Confinement”, e foi feito em um período muito difícil da minha vida, e esse álbum mudou minha vida.

De repente eu poderia viver da minha música, e meus shows começaram a vender, e este álbum tem uma grande parte de mim ainda sendo um músico /compositor ativo.

Descreva o que você imagina que viverá como se fosse no ano de 2030 …
CL: O mesmo que agora, mas com luzes mais frias. E talvez pay per view live streaming , shows em holograma na sua sala de estar.

Você acha que ter mais 20 anos de experiência lhe ajuda hoje em dia quando aparecem vários artistas do segmento electro-industrial, estão aparecendo de vários lugares?
CL: Sim Leæther Strip tem quase 30 anos e o aniversário será em 2018, é incrível o quão rápido 30 anos vão. Sim experiência da-lhe força e faz você fazer melhor. Mas também é importante ficar fresco na maneira que você pensa ou você acaba sendo um palhaço.

A melhor maneira de evitar é sempre fazer o seu melhor, é uma palavra difícil.

Eu trabalho mais duro agora do que quando eu comecei tanto no estúdio e nos palcos, e hoje isso é o caminho mais importante para o sucesso.

Eu nunca sonhei com a fama, para mim é tudo sobre a música e o poder incrível que detém.

Compartilhe conosco o pior cenário que já aconteceu com você ao vivo no palco ou no estúdio!
CL: No palco eu cai sobre o monitor de audio durante a primeira música, em um palco de concreto, rasgando minha unha do polegar e batendo a cabeça no palco..

Eu completei o show de 90 minutos sangrando como um porco com uma concussão. Rock’n’roll! A pior coisa a acontecer no meu estúdio foi quando um cano quebrou e todos os meus sintetizadores vintage estavam nadando.

Foram necessários 6 meses para todos eles estarem secos e limpos.

O que é mais legal dos shows ao vivo e mais exaustivo?
CL: Nunca é cansativo durante os shows, eu joguei 3 horas mostra algumas vezes.

O cansaço não bate em você até depois do show, quando a adrenalina desaparece.

Durante o show estou no paraíso. Eu amo executar minhas canções, e prestando atenção aos sorrisos nas caras das pessoas. Nada bate uma audiência feliz.

leaether_strip_04a

Você prefere tocar nos clubs ou festivais? Qual é a diferença para você?
CL: Meu favorito sempre serão os clubs, sim festivais são grandes porque você pode chegar a um novo público lá também, e somamos todos os trabalhos do festival que podemos obter, é muito divertido e temos como conhecer muitos dos nossos amigos músicos lá.

Mas eu adoro estar perto do meu público, eu quero ver a alegria em seus olhos e eu quero vê-los suar.

Eu me alimento deles para a energia. E um trabalho para festival de 60 minutos pode fazer você sentir como um trabalho de club de duas horas porque eu me alimento tanto dos fãs no festival.

Eu vi um show seu por mais de 16 anos no Technoclub em Frankfurt. Que memórias você guarda deste lugar que é uma referência para o seu tipo de música?
CL: Eu lembro dos drinques, dança e grandes amigos, e muita diversão.

Os anos 90 foram incríveis, a música e a cena está crescendo novamente. 2016 foi o melhor ano em termo de shows, mais de 60 shows em um ano.

É incrível.

Onde você vê o Leaether Strip em cinco anos?
CL: Em turnê em algum lugar e me divertindo, ou escrevendo mais músicas.

Qual o próximo passo para Leaether Strip?
CL: Eu quero começar no próximo álbum Klutæ, o próximo álbum do Strip está quase composto, para lançamento no ano que vem.

Também estou preparando uma nova turnê nos EUA para o final do verão no início do próximo ano e agendando shows em todo o mundo.

E o que você odeia agora?
CL: Pessoas assustadas. O medo tomou conta e as pessoas esquecem de aproveitar a vida.

Um sonho?
CL: Que eu posso dar um rim para o meu marido Kurt em breve.

Uma decepção?
CL: Eu quero chutar Trump nas bolas, apenas uma vez.

Qual é a sua comida e bebida favoritas?
CL: Qualquer coisa Kurt cozinha para mim. Eu amo comida. Bebida preferida, é JB Whiskey / cola e Pina Colada (com toneladas de decorações).

Qual o seu hobby fora da música?
CL: Pesca, pintura e culinária

Definir seu estilo de vida?
CL: Trabalhador coqueteleiro e teddybear

leaether_strip_bunner

Você acreditou que sua música chegaria ao Brasil sendo tocada nos clubs e rádios antes da era da internet? Qual foi seu contato real com os brasileiros ao longo de sua carreira?
CL: Apenas estar em torno da cena depois de 30 anos como Leæther Strip é incrível para mim, eu ainda estou vivendo o sonho do menino de 14 anos de idade, e eu tenho 49 agora.

Eu tenho muitos ouvintes na América do Sul, e eu tive desde o início de volta em 89, naquela época eu costumava receber cartas de fãs do Brasil e do resto da América do Sul.

Mas ainda é incrível para mim agora, como foi então, que as pessoas de todo o mundo estão ouvindo algo que eu criei, e isso significa mais do que eu posso expressar.

Espero que este concerto em São Paulo seja o primeiro de muitos shows sul-americanos.

É uma honra para mim.

Depois de tocar ao vivo durante muitos anos e nunca no Brasil. Qual a expectativa de apresentação durante o evento Machina no Brasil?
CL: Eu sou tão bom que Machina convidou e arranjou isso, meu primeiro show sul-americano. Estou aqui para fazer o melhor que posso e espero abrir mais portas para o belo Brasil e o resto da América do Sul. Espero que haja muitos mais.

O show Machina foi projetado especialmente para os brasileiros. O que seus fãs podem esperar do show?
CL: Sim, eu sempre mudo meus shows para torná-lo mais interessante para os fãs e para mim. Quando eu toco em um país ou cidade que eu nunca toquei antes, eu sempre toco um set de old-school e dou aos fãs um pouco mais de mim. Vai ser um show agressivo uptempo aqui em São Paulo.

Uma mensagem para os fãs brasileiros:
CL: Obrigado por ouvirem minhas músicas por tanto tempo. Seu apoio é porque eu ainda estou fazendo o que eu amo.

E com vocês agora Mr. Eneas Neto considerado o godfather (ou seria “messias”?), e referência para muita gente que curte música eletrônica no Brasil.

De onde nasceu o nome e o conceito dos eventos Machina?
Em 2005, com a intenção de criar uma estrutura regular para apresentações da bandas nacionais e internacionais de música industrial e eletrônica.

Como você descobriu o som do Leaether Strip para tocar no seu programa
Zensor?

E.N.: Foi em contato com outros selos internacionais alemães.

Tinha ouvido  uma demo e logo depois o primeiro single pela (na época) recém lançada
gravadora Zoth Ommog.

Foi uma identificação imediata.

O que te atraiu no som do Leaether Strip?
E.N.: Ter lançado um hit logo com o primeiro 12″: “Japanese Bodies/Battleground”. Instrumental pulsante, voz rasgante.

Fez muito sentido para a sonoridade eletrônica dançante do princípio dos anos
1990.

Porque a escolha do Leaether Strip para esta edição do Machina?
E.N.: Machina aposta em bandas clássicas, com pelo menos 10 anos de estrada.

O Leaether Strip tem um trabalho coeso e constante, além de uma boa base de fãs por aqui.

Uma escolha natural.

Eneas Neto

Eneas Neto

Qual seu top 5 de músicas do artista?

1.Japanese Bodies
2.Satanic Citizen
3.Strap Me Down
4. No Rest For Wicked
5.,Obligate

Como é o trabalho de fazer um artista desse segmento musical e qual é a resposta do público, que muita vezes se queixa do preço mínimo do ingresso e não comparece e ainda reclama dos poucos shows que acontecem.

Como você analisa essa engrenagem e o que poderia falar para esse público ao mesmo tempo exigente e que por vezes não comparece para prestigiar?

E.N.: O retorno é bem baixo, normalmente dá prejuízo, mas se ninguém fizer,o reino das bandas covers e os especiais das mesmas figuras “alternativas’ dos anos 1980 vão se consolidar de vez na noite.

Quanto a custos, equalizar um valor justo fica muito mais difícil em tempos de crise e não dá pra acreditar que o endosso de “apoiar a cena” fará mudar isso.

As pessoas desse segmento precisam ter mais opções e de uma forma contínua. Mais shows, mais festas, mais festivais, etc.

O circuito de shows no estilo que o Machina trabalha é praticamente inexistente. Para resumir: quem curte o som, deveria ir pro show e fazer a roda girar.

by Gonçalo Vinha

Print Friendly, PDF & Email

Comente