Eli Iwasa assina trilha para desfile de Diego Fávaro, estilista de Pabllo Vittar

DJ SOUND

Eli Iwasa assina trilha para desfile de Diego Fávaro, estilista de Pabllo Vittar

Com conceito espiritual e ao mesmo tempo crítico, a coleção NO WAR apresenta nesta sexta um crossover entre a dance music e o mundo da moda

Quem segue a DJ e empresária Eli Iwasa nas redes sociais já deve ter percebido seu estilo e fotogenia. Talentosa e multifacetada, a verdade é que a paulistana, além do amor pelo techno e por conduzir seus clubs Caos e Club 88 em Campinas, possui profunda relação com o mundo da moda, tendo assinado trilha para desfiles de estilistas como Lorenzo Merlino e posado como modelo para ensaios de moda — o mais recente, inclusive, foi para a marca Chaouiche, divulgado pela revista curitibana Top View.

O novo episódio entre Eli Iwasa e a moda acontece neste mês para um importante estilista brasileiro, Diego Fávaro, conhecido por assinar as roupas da cantora Pabllo Vittar.

Eli preparou a trilha da coleção NO WAR e, para tal, aventurou-se em relacionar a música com os conceitos do desfile, que envolvem questões espirituais e de saúde do mundo, especialmente sobre a chamada “Data Limite”, profetizada por Chico Xavier no ano de 1971.

O alerta de Xavier dizia que os seres celestiais estipularam um prazo de 50 anos a partir da chegada do homem à Lua, isto é, até 20 de julho deste ano, para que a humanidade se empenhasse em conviver com respeito e harmonia (sem uma Terceira Guerra Mundial, por exemplo) para assim evitar conflitos fatais entre nações e uma porção inédita de desastres naturais dos quais sairiam poucos sobreviventes, e dar lugar a grandes avanços na medicina e tecnologia.

“Criamos a coleção com contrapontos entre o bruto da guerra e a leveza da cura”, conta Diego.

Sobre seu trabalho com a Eli Iwasa, o fashion designer comenta que “a trilha partiu através de uma pesquisa inicial da Eli sobre sons que representariam este momento universal.

Elaboramos a base da trilha, um som contínuo que lembra sons binaurais, que têm o poder de curar partes do corpo. Para conseguirmos fechar a ideia com excelência, ela ainda adicionou sons antigos de lançamento de foguetes, sondas espaciais e coisas relacionadas, e fechou a música respeitando a identidade da marca”, conta Diego sobre o processo criativo com Eli Iwasa.

Marcado para esta sexta-feira, 5, na Casa dos Criadores, em São Paulo, este desfile não é a primeira convivência íntima de Diego Fávaro com a música.

“A música me sensibiliza muito e me inspira. Sempre começo uma coleção ouvindo coisas que me deixam feliz ou que me despertam algum sentimento que me faz cavucar e transformar em roupa”.

Já sobre o intercâmbio entre seu projeto de moda e a música eletrônica realizado com a Eli, completa:

“O trabalho com ela foi muito bacana e pudemos discutir sobre o que cada um imaginava, então é algo feito com carinho e com a personalidade tanto dela quanto da marca”.

Eli, que passa por um 2019 intenso em sua carreira, com turnês nacionais e internacionais e shows confirmados nos maiores festivais da América do Sul, como o Rock in Rio e o Baum Festival de Bogotá, lembra a parceria como algo irrecusável.

“Quando o Diego me convidou para compor a trilha, aceitei na hora por admirar o trabalho dele e por já ter um relacionamento antigo com a moda. Preparei uma trilha mais experimental, com música do Autechre… estou animada para ver o resultado!”

Print Friendly, PDF & Email

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.