Chris Bekker lança álbum e documentário sobre Berlim

DJ SOUND

Chris Bekker lança álbum e documentário sobre Berlim

O alemão Chris Bekker mostra toda sua devoção e paixão pela cidade de Berlim (uma das mais cosmopolitas do mundo, e ainda uma das mais baratas para se viver na Europa), com o lançamento do álbum “Berlinition” pela gravadora Vandit, do lorde Paul Van Dyk.

A ousadia do DJ e produtor musical Chris Bekker foi construir a trilha sonora do álbum para um documentário homônimo que ele mesmo dedicou-se, e o resultado é que “Berlinition” é um lançamento audiovisual, lançado em CD e DVD no mesmo pacote resultando num lindo presente duplo para os fãs da música eletrônica e de Berlim, tida como a cidade mais importante do mundo quando o assunto é música eletrônica, tanto quanto é Detroit nos Estados Unidos.

Berlim além de ser a capital da Alemanha é a capital da música eletrônica do mundo, coração pulsante de várias vertentes e exportador delas.

Falar de música eletrônica e excluir do mapa o que acontece em Berlim todos os dias é amputar um pedaço da história do segmento musical.

A cidade abriga um dos maiores conglomerados de produtores e DJs por metro quadrado do planeta sejam os próprios nascidos, emigrantes e imigrantes vindos de todos os cantos do planeta.

As imagens captadas pela equipe de Chris Bekker mostram uma Berlim de várias faces, colorida, intensa, o contraste das construções e como a cidade reagiu a queda do muro, com a trilha sonora que definiu (e redefiniu) o seu passado, presente e futuro.

Para compor as músicas Chris Bekker acabou chamando amigos que o ajudaram a condensar e a dar mais tempero além das dicas e total liberdade dada por Paul van Dyk dono da gravadora Vandit que apostou alto neste produto de repercussão mundial.

Falamos com Chris Bekker que revelou detalhes deste trabalho e dos planos e ainda revelou que o inglês Rick Astley foi seu primeiro doze polegadas comprado.

Comente a sua relação com a cidade de Berlim e este projeto?

Em poucos meses vão fazer 25 anos, que vivo nesta grande cidade.

E eu amo todos os dias nela.

O projeto deste álbum é a minha essência pessoal de como eu vejo Berlim.

Mas não é uma carta de amor para minha cidade, embora tenha um monte de corações entre as músicas.

Eu diria que é a minha trilha sonora de Berlim, tão coloridoa e surpreendente como esta cidade é.

Quanto tempo levou para projetar e terminar este projeto?

No total (ncluindo minha equipe de vídeo para o DVD do album) – estavamos trabalhando há 18 meses neste projeto.

Você pode assistir o filme “Berlinition” agora em todos os vôos da companhia aérea Lufthansa.
chris-bekker-berlinition

 Como você define os colaboradores convidados para o álbum (Paul Van Dyk …)?.

  1. a) Paul van Dyk: Paul não só é dono do selo, mas também alguém que tomou o seu tempo para me dar feedback sobre cada música do álbum. O mais impressionante foi como começou seu retorno: “Isso é simplesmente a minha opinião Sinta-se livre para mudar, adaptar ou deixar tudo como está. Porque no final esta será o seu álbum, a sua pegada e seu coração…”, dizia ele.

E eu pensei: “Uau eu estou na gravadora e com o chefe certo!”.  

Paul van Dyk em destaue

Paul van Dyk em destaque

  1. b) Chris Montana: Eu conheço Chris Bekker há muitos anos. Em sua gravadora S2G eu lancei a maioria das minhas músicas no início da minha carreira.
  2. c) Tricia Mc Teague: Tricia e eu nos conhecemos há 18 meses atrás e ele simplesmente me tocou com sua voz. Adoro sua voz, então eu decidi enviar-lhe o álbum quando ainda estava sendo gravado, tipo as demos. “We Can Be” é a única faixa vocal no meu álbum.
  3. d) Sequ3l: Suas produções progressivas são simplesmente incríveis. Adoro o seu estilo deep. Um dia ele me contatou no Facebook dizendo que ele gosta do meu estilo de produção. E que ele estaria em Berlim com sua namorada por alguns dias. Então, nós nos encontramos e produzimos  a música juntos chamada “ Uferstrasse”; que é o nome da rua onde nos conhecemos.
  4. e) Pagano: Francesco Pagano é um DJ e produtor amigo de longa data da Itália vivendo em Londres. Estamos nos vendo muito nos mesmos clubs onde somos residentes. Então, nós produzimos “Hashtag Wunder”, som típico Pagano com uma pegada típica Bekker.

Você tem planos de lançar um álbum de remixes deste trabalho?

Ainda não, mas soa como uma boa ideia.

O que “Berlinition” representa?

Gostaria de explicar o meu álbum de abordar a forma como esta é a minha maneira como eu vejo esta cidade a partir de uma perspectiva de som, a minha trilha sonora.

Se você ouvir o álbum de perto você vai descobrir que ele está se transformando de melódico para pouco mais escuro e mais áspero dentro de sua jornada.

E isso é o que Berlim,  é: a cidade diversa, de tirar o fôlego.

Depois de quase três décadas, como você avalia a música eletrônica feita em Berlim?

Berlim é diferente.

Você sabe, quando você vive nesta cidade você quase não notar mais, mas esta é a razão pela qual Berlim ou seja, sempre teve e sempre terá um enorme impacto sobre o desenvolvimento da cena da música eletrônica.

Em Berlim não automatic e é certo o que a maioria faz ou gosta. É uma maneira de viver.

E em nenhum outro lugar eu posso ouvir, sentir e viver esta “democracia sólida” mais do que em Berlim.

Então, se há uma coisa constante em Berlim, é a sua contínua mudança e reinvenção.

Berlim tornou-se uma referência mundial de música eletrônica e muitos outros produtores musicais mudaram para a cidade em busca de inspiração. Qual é o lado positivo e negativo dessa invasão na cidade?

Penso que podemos estar orgulhosos de que é desta forma – é simplesmente bom sentir essa mentalidade ao seu redor da cidade.

E eu gostaria não chamar de uma invasão.

No final somos uma grande “família eletrônica”, inspirando uns aos outros.

Como você descreveria o seu estilo de música?

Quando se trata de música, não sou um grande amante das classificações de estilos. Eu estou deixando isso para os outros ao dizer que eu coleciono influências de vários gêneros, embora, como House, Trance, Techno, Clássico e Progressivo e combinar e desenvolvê-los da maneira que eu senti-los “Eu Bekker sou produtor de música eletrônica.”, por assim dizer.

E, claro, com um álbum que você quer mostrar seus diferentes estilos e interesses.

É como dentro do seu DJ set quando você quer tomar o seu público pela mão e levá-los em uma viagem.

Que música faz você lembrar da sua infância?

Talvez um pouco incomum, mas é uma música de um comercial de sorvete.

“Como o gelo na luz do sol”. Ainda quando eu ouço hoje, todas estas imagens com os meus amigos no lago estão de volta na minha mente instantaneamente.

Qual foi o primeiro disco que você já comprou?

Eu poderia dizer agora “Ah, eu esqueci disso”.

Mas foi um doze polegadas (12”) do Rick Astley, “Never Gonna Give U Up”, uma música que realmente não entraria nos meus sets de hoje.

Qual sua música favorite de todos os tempos?

Depeche Mode “Never Let Me Down Again”.

Onde você se vê Chris Bekker em dez anos?

Se você tivesse me feito essa pergunta 10 anos atrás, eu definitivamente não teria como  resposta o que eu estou fazendo agora.

Eu nem estava tocando ou produzindo naquele momento!

Então, como faço para responder a esta ?!

Deixe-me tentar:

Eu estou fazendo três coisas ao mesmo tempo agora: ensinando na universidade onde eu também estou escrevendo a minha tese de doutoramento, a minha agência de som corporativa “Klang ID Berlin” ‘e produção de música, DJing +.

Eu acho que um dos três em dez anos deve ser suficiente – ainda não decidi qual.

Qual será a próxima step’s para Chris Bekker?

Assim que todos temos que terminar a festa por causa do grande sucesso do meu álbum “Berlinition” ; vou estar em direção a novos lançamentos e colaborações.

Mais três estão planejadas para este ano – em conjunto com grandes parceiros de estúdio, tais como Jerome Isma-Ae, Paul Thomas, Pagano e Farius.

E o que você odeia agora?

Se você tivesse a condensar todas as coisas estranhas que estão acontecendo agora mesmo para uma causa, o que seria isso?

Responder a esta pergunta e eu acho que você vai encontrar a solução para muitos dos nossos desafios de hoje.

A minha resposta é:

“Falta de Respeito” – simplesmente respeitar as outras formas de pensar, viver e amar.

Um sonho?

Eu estou 100% feliz e com a minha vida.

Vou encaminhar esta solicitação de sonho para alguém necessitado.

by Gonçalo Vinha

Print Friendly, PDF & Email

Comente